segunda-feira, junho 04, 2007

Eles têm sentimentos?

Da Época desta semana.

Solidariedade entre elefantes e tristeza dos gorilas. Um novo consenso entre cientistas sugere que os bichos têm emoções como os humanos

Por Luciana Vicária




AMOR OU AMIZADE?
Elefantes em riacho na África. Biólogos observaram sinais de solidariedade
na manada

Nas savanas da áfrica, a bióloga Joyce Poole, do Quênia, teve a certeza de que animais têm sentimentos. Ela observava uma manada de elefantes caminhar em direção a um riacho. O grupo estava mais lento por causa de Babyl, uma fêmea machucada. De tempos em tempos, o líder da manada parava, olhava para trás e procurava Babyl. Quando não a via, dava uma espécie de sinal com a tromba para que todos a esperassem. Já no riacho, um dos elefantes buscou comida e alimentou a amiga debilitada. Outro evento atípico foi relatado pela bióloga Elizabeth Webb. Ela presenciou a morte por velhice de uma fêmea de gorila chamada Ilana Boone, aos 27 anos. No mesmo dia, Bridger, o antigo e fiel companheiro de Ilana, deitou-se ao lado do corpo dela e morreu. A causa da morte de Bridger não foi detectada em exames de laboratório. Um grupo de gorilas rodeou os corpos e permaneceu ali durante dois dias, como se estivessem todos em vigília.

Para os estudiosos do comportamento animal, não existe, aparentemente, vantagem imediata para o bando de elefantes que explique o cuidado com Babyl. A fêmea doente, em princípio, deixava a manada mais vulnerável aos predadores. Também não há razões instintivas que expliquem a atitude dos gorilas diante da morte. Na opinião dos biólogos que relatam as cenas, os gorilas simplesmente ficam tristes, e os elefantes sentem empatia por membros do grupo. Nos últimos dois anos, os principais centros de pesquisa em comportamento animal passaram a concordar que os animais não realizam tarefas cumprindo apenas um roteiro instintivo de preservação da espécie. De acordo com o etnólogo americano Jonathan Balcombe, autor de Reino do Prazer: os Animais e a Natureza de se Sentir bem, as emoções podem gerar vantagens evolutivas. Assim como o medo pode ajudar os animais a evitar o perigo, outras emoções também teriam utilidade.

Os cientistas que acreditam na emoção dos outros mamíferos (além dos s humanos) alegam que as pesquisas recentes apontam cada vez mais semelhanças entre a estrutura cerebral das diversas espécies. Um grupo de células do cérebro é associado à empatia e à emoção social. São chamadas de neurônios-espelhos. Elas também foram encontradas entre chimpanzés.

O neurobiologista americano Jack Panksepp, da Universidade Estadual de Bowling Green, mostrou que pessoas que sofrem por se sentir socialmente excluídas têm seu sistema límbico estimulado. É a mesma região do cérebro ativada em porquinhos-da-índia separados da mãe após o nascimento. Outra descoberta recente mostra que algumas células especializadas do cérebro humano, aparentemente associadas à empatia e à intuição, chamadas fusiformes, também estão presentes em baleias.

As emoções dos animais podem conferir vantagens evolutivas para as espécies, suspeitam os cientistas

Não basta uma espécie ter as mesmas estruturas cerebrais que os humanos para sentir como nós. É o modo como as células e regiões do cérebro funcionam que provoca as emoções. Ainda falta verificar se essas células cerebrais agem da mesma forma na cabeça dos bichos. “Os estudos abriram uma nova janela de compreensão, mas nada é conclusivo até agora”, diz Panksepp, que estudou porquinhos-da-índia. “A polêmica se inicia justamente na interpretação da literatura científica.”

Para começar, ainda não há consenso sobre o que é emoção e o que é sentimento. O neurocientista António Damásio, da Universidade de Iowa, é autor da teoria de comportamento animal mais aceita entre os cientistas. Na visão dele, os animais se emocionam, mas não têm sentimentos. Os animais teriam emoções primárias como medo, raiva, repulsa, alegria e tristeza. Essas emoções são respostas físicas quase instintivas do corpo a determinados estímulos. O segundo nível de emoções seriam as sociais, como simpatia, constrangimento, vergonha, orgulho e inveja. Essas emoções ajudariam os bichos a conviver em grupo. “Gorilas ficam arrogantes para ganhar o respeito do grupo e cães dão sinais de constrangimento quando levam bronca de seus donos”, afirma. O nível mais alto da emoção, para Damásio, seriam os sentimentos, que surgiriam a partir da reflexão e da consciência. “Não só ficamos alegres como temos a consciência de que estamos alegres. Isso não ocorre em animais.”

CENA FAMILIAR
Gorila brinca com o filhote. Pesquisadores relatam casos de forte ligação afetiva em alguns casais da espécie

O primeiro cientista a propor que os animais se emocionam foi o naturalista britânico Charles Darwin. Em A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais (1872), ele relata as semelhanças entre atitudes humanas e de outros animais. No século passado, no entanto, consagrou-se a idéia de que os bichos têm padrões de comportamento instintivos rígidos e que, por isso, seriam desprovidos de emoção. O assunto só voltou ao debate recentemente com a apresentação de novos estudos científicos.

Pessoas que atribuem características humanas a outros animais, sem provas científicas, são chamadas de antropomorfistas. “As pessoas me acusam desse palavrão quando eu digo que um animal está triste no zoológico”, diz o biólogo Marc Bekoff, da Universidade do Colorado. “No fundo, elas querem me convencer que o animal está feliz ali. Elas próprias usam argumentos antropomórficos.” Independentemente da motivação, enxergar sentimentos nos animais está estimulando a investigação científica. “Para mim, acreditar que os animais se emocionam é apenas uma motivação para minhas pesquisas, como outras tantas que movem os cientistas”, diz o psicólogo Marc Hauser, da Universidade Harvard.

7 comentários:

Ana disse...

Parabéns pelo blog! Adorei! Beijão e boa semana!

Åd®¡ana disse...

Lembrei desse conto:

http://www.vira-lata.org/contos3.shtml#disciplina

Ao ler esse post.
Bom blog! :)

Mônica Montone disse...

Se os animais tem sistema nervoso e se o sistema nervoso existe [entre outras coisas] para avisar o cérebro da dor e os animais possuem um sistema nervoso como o nosso, por que diabos ainda acreditam que as animais não sentem dor???????????????

Isso biologicamente falando, comportamentalmente, então,já foi provado há muito tempo....

Eu não como bichos :o) e amo elefantes, rs*

beijos e boa semana

MM

ps: procure no youtube um vídeo chamado terraqueos...........

Rodrigo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo disse...

Ana,

Muito obrigado pela visita!


Adriana,

Agradeço pela dica. Foi impossível não lembrar do meu primeiro e único cão. Já tive gato e rato, e até pés de feijão de estimação, mas o primeiro cachorro é inesquecível.


Mônica,

Eis que o Divagações se ilumina de novo com sua visita! Volte sempre!;-)

De fato, a questão vai além de ter ou não sistema nervoso. Infelizmente, a noção dos animais como "máquinas" orgânicas pré-programadas faz parte da nossa cultura há muito tempo, reforçada sobremaneira com o advento do racionalismo e da valorização da ciência. Tanto é assim que uma coisa tão óbvia para qualquer criador -- o fato de que eles, ou pelo menos os mamíferos superiores, também têm reações emocionais *muito* parecidas com as nossas -- tem de ser submetida a pesquisas científicas em pleno século XXI para ser validada.

Já leu Franz de Waal? É um estudioso do comportamento de primatas, com vários livros publicados. Eles fez algumas descobertas aterradoras sobre o nível de semelhança de comportamento entre nós e nossos "primos".

Quanto a comer carne, tem uma discussão muito legal em "Ética Prática", de Peter Singer. Tudo bem que ele também defende coisas como o infanticídio como prática aceitável usando os mesmos princípios do aborto e da eutanásia, mas a discussão é muito enriquecedora.;-)

Particularmente, adoro um bom bife e não levei minha solidariedade aos animais até o prato. Mas, enfim, isso é assunto para um outro dia.

Vou ver o vídeo assim que minha conexão sair do estado de lerdeza semi-absoluta. grato pela indicação!

Um abraço para as três,
Rodrigo.

Estava Perdida no Mar disse...

Aê...cheio de coments. Agradeça a mim...Aceito um livro do Schop de presente. Poder ser exemplar usado, do seu sebo particular.

Beijocas

Ah, visita o meu tá! Alguém me prometeu que quando eu fizesse uns 4 meses de blog ganharia um coment. Bem, acho que esse prazo até já passou! Vou lhe cobrar com juros.

palasatena disse...

Muitossssssssssssss comentários e a madrugada merece sono, ao menos hoje. Em breve. Sâo muitas SuperInteressantes, Mentes e cérebros ( por sinal não lidas ainda!), Seleções e afins. Tudo sobre isso é motivo de leitura minha.
Acredito, acredito!
E ainda por cima tenho uma cadelinha.
Lembraram de contos e eu de uma piada. hehehe Mas fica para quando questionares a razão dos animais. Acho que já o fizeste, por sinal.