sexta-feira, novembro 26, 2004

The Day After

“Disserte sobre a renovação da história política e suas relações com a História do Tempo Presente, considerando a historiografia sobre um processo histórico determinado.”

Então isto é uma prova de mestrado? Olhei para o singelo papel à minha frente sem saber o que pensar. Passara os últimos 25 dias procurando livros os mais diversos, alguns já esgotados; deixando de me divertir para fichar capítulos; percorrendo a bibliografia indicada pelo edital como um áugure em busca de um presságio... para redundar nessa questão — o primeiro obstáculo entre mim e meus planos acadêmicos para o próximo biênio.

Não era uma questão difícil, pelo contrário. Na verdade, era quase um presente. Afinal, três parágrafos abaixo dela, havia uma bastante específica sobre a Revolução Russa, tema que não era uma das obviedades do programa. Certamente o mundo desabou sobre os ombros de alguém naquela sala de mais de 40 candidatos em disputa por míseras nove vagas. Mas não sobre os meus. Se Lênin arrastou consigo as esperanças de algum de meus rivais, não posso dizer que lamento. A necessidade é por vezes algoz da virtude.

Uma das desvantagens de se impregnar de um tema, como eu fiz, é saber demais sobre ele. Quando já se é naturalmente prolixo e detalhista, tanto pior. Isto pode ser bom para escrever tratados acadêmicos, de que o público já espera certos floreios, mas numa prova de apenas três horas de duração pode ser um problema. E foi. Mais vinte minutos, seria uma dissertação irretocável. Sem eles, foi apenas uma resposta promissora encerrada às pressas.

Contratempo irrelevante ou sentença de mais um ano de espera? Quando não se conhecem as preferências da banca, tudo é possível. Sucessos passados não garantem nada, por mais que todas as pessoas digam o contrário. Saber que se está disputando uma vaga na área mais disputada do melhor curso do país, com um projeto concebido no espaço de quinze dias com bibliografia estrangeira não perfeitamente explorada, exige uma dose de humildade. A leitura de projetos alheios já dera ciência de que veteranos de iniciação científica — do tipo que estuda um tema desde o terceiro período da graduação com a supervisão atenta de um professor — são figuras fáceis em concursos desse tipo. Gente que regurgita jargões, tresanda a quadros teóricos e assina o nome seguindo as últimas regras da ABNT. Sem falar na experiência de uma monografia sobre o mesmo tema do projeto.

Pouco importa. O senso de missão cumprida parece imunizar contra qualquer sombra de frustração. Autores e notas de rodapé ancorados na memória ainda não me permitiram sentir plenamente que estou novamente livre para ler um romance, ir ao cinema durante a semana ou qualquer outra atividade menos acadêmica. Talvez porque não esteja mesmo: ainda há uma entrevista caso a primeira etapa seja vencida, e depois dela os sobreviventes ainda terão de ser classificados segundo a média das notas obtidas. Darwin não pensaria num sistema melhor.

Alea jacta est. O momento é de expectativa e, enquanto não vem o desfecho, dou a palavra a uma amiga recém-descoberta, que também sabia falar dos momentos de amplitude.

Noções

Entre mim e mim, há vastidões bastantes
para a navegação dos meus desejos afligidos.

Descem pela água minhas naves revestidas de espelhos.
Cada lâmina arrisca um olhar, e investiga o elemento que
a atinge.

Mas, nesta aventura do sonho exposto à correnteza,
só recolho o gosto infinito das respostas que não se
encontram.

Virei-me sobre a minha própria existência, e contemplei-a
Minha virtude era esta errância por mares contraditórios,
e este abandono para além da felicidade e da beleza.

Ó meu Deus, isto é a minha alma:
qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero e
precário,
como o vento largo do oceano sobre a areia passiva e
inúmera...

Cecília Meireles


Um comentário:

Palasatena disse...

Darwin... já por duas vezes falaste dele e apenas por duas vezes nos falamos, então... Viva o Darwin! Este ser tão marcante em tua vida e na de todos os animais que agradecem a teoria da evolução, o que seria da Terra sem esta teoria? O que seria de nós sem uma verdade... mesmo que seja apenas a nossa verdade...?
Fiquei curiosa pelo resultado desta dissertação de 3 horas, como falas, por vezes, é preciso saber tornar-se superficial, das profundezas à superfície, este trajeto exige algo...
A poesia de Cecília diz um pouco disso: entre mim e mim... o que há?