segunda-feira, novembro 22, 2010

"As regras do amor"

Quão peculiar é viver numa época em que o amor tem "regras"... Mas admito que algumas são realmente sábias -- e já fizeram falta em pelo menos uma relação concreta. O texto integral está aqui.

  • Escolha um parceiro sabiamente. Somos atraídos pelas pessoas por todo tipo de razões. Elas nos lembram de alguém do nosso passado. Elas nos cobrem de presentes e nos fazem sentir importantes. Avalie um potencial parceiro como faria com um amigo; veja o seu caráter, personalidade, valores, generosidade de espírito, e a relação entre suas palavras e ações, bem como seus relacionamentos com as outras pessoas.
  • Conheça as crenças de seu parceiro a respeito de relacionamentos. Pessoas diferentes têm crenças diferentes e contraditórias sobre o assunto. Você não vai querer se apaixonar por alguém que espera muita desonestidade nas relações em que se envolve; ele(a) vai criá-la onde ela não existe.
  • Conheça suas próprias necessidades e mostre-as claramente. Um relacionamento não é um jogo de adivinhação. Muitas pessoas, homens e mulheres, têm medo de enunciar suas necessidades e, como resultado, camuflam-nos. O resultado é a decepção por não conseguir o que desejam e a raiva por o parceiro não atendido às suas necessidades (não declaradas). A intimidade não pode acontecer sem honestidade. O seu parceiro não lê pensamentos.

3 comentários:

lory carivally disse...

Está cada vez mais difícil se relacionar, até por que as pessoas hoje em dia não tem muita paciência em conviver...

Priscila Azeredo disse...

Oi Rodrigo! Tudo bom? Como vão as coisas?

Como eu sei que vc estuda a Doutrina Espírita, dá uma olhada no meu blog e veja a mensagem mediúnica recebida na CEERJ sobre a situação do Rio.
Bjs

Marcio Nicolau disse...

Não lhe parece um manual? O amor, segundo me parece, não obedece a regras. Em relação ao outro, é necessário tato.