sexta-feira, janeiro 07, 2005

Ars Poetica

Um poema deve ser palpável, silencioso,
como um fruto redondo

Mudo
como os velhos medalhões ao toque dos dedos.

Silente
como o gasto peitoril de uma janela em que cresceu o musgo

Um poema deve ser calado
como o vôo dos pássaros.

Como a lua que sobe,
um poema deve ser imóvel
no tempo,

deixando, memória por memória, o pensamento,
como a lua detrás das folhas de inverno;

deixando-o como, ramo a ramo, a lua solta
as Árvores emaranhadas na noite.

Um poema deve ser imóvel no tempo como a lua que sobe.

Um poema deve ser igual a:
não a verdade.

Para toda a história da dor,
uma porta franqueada e uma folha de ácer.

Para o amor,
as gramíneas inclinadas e duas luzes sobre o mar.

Um amor deve ser,
e não significar.


Archibald MacLeish (1892-1982)


Um comentário:

palasatena disse...

Um poema deve ser calado
como o vôo dos pássaros...